Sedentarismo atinge 25% dos adultos e 81% dos jovens atualmente

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), um em cada quatro adultos não pode ser considerado praticante de atividade física. Entre os adolescentes (11-17 anos), quatro em cada cinco são sedentários.

Nos adultos, o sedentarismo está presente em 23% dos indivíduos; já nos mais jovens, esse índice é de 81%. Os dados sobre inatividade física foram apresentados pela Organização Mundial de Saúde no início de junho de 2018, juntamente com uma meta global: que países-membros da OMS se comprometam com a redução do sedentarismo em 10% até 2025 e em 15% até 2030.

A nova meta da entidade está atrelada a outros objetivos: a diminuição das taxas de doenças associadas ao sedentarismo. Pessoas que não praticam atividade física têm mais chance de desenvolver condições como infarto, AVC, câncer de mama e câncer colorretal, por exemplo.

A atividade física também ajuda no controle do peso, contribui para a saúde mental e previne condições como a pressão alta.

“O sedentarismo não é uma doença atual, porém tem feito cada vez mais vítimas conforme o passar dos anos e as mudanças de hábitos cotidianos da população. Ele pode ser evitado com práticas de atividades físicas ou de esportes, trazendo benefícios físicos e mentais para o praticante”, explica Igor Castro, Diretor Técnico da Rede Alpha Fitness.

Seja através de atividades físicas de pouco impacto ou de alta intensidade, a prática de esportes melhora a qualidade de vida, desempenho físico, relaxa o corpo, renova células do corpo, ajuda a fazer amizades e fortalecer laços já existentes.

É recomendado à pessoa que deseja sair do sedentarismo, começar com atitudes diárias, como utilizar as escadas normais ao invés de elevadores ou escadas rolantes. Caso utilize o transporte público, descer um ponto antes do que está habituado e caminhar até a casa ou trabalho, além de adequar a alimentação.

Todas as atividades físicas são benéficas ao organismo e, acompanhadas de uma alimentação saudável, podem fazer com que a pessoa se esquive da doença do século.

“É importante fazer o acompanhamento médico e do educador físico para não ter problemas com a prática errada ou excessiva de esportes e evitar lesões. Procure também roupa e calçado adequados”, finaliza o profissional.

Compartilhe

Thaís Cairo

Geminiana super alegre e comunicativa, nascida em 1988 (não façam as contas, por favor! *rs), formada em Negócios Internacionais com mestrado em Administração de empresas, ambos os cursos pela UNIFACS. Hoje sou empresária e diretora financeira da Angulare, empresa de criação de sites, minha e do meu marido, o Rodrigo Jerry. Pela Angulare, prestamos também serviços de administração de redes sociais, sendo outra função exercida por mim. Em 2017 resolvi mudar e perder todos os vinte e poucos quilos que engordei da época da faculdade, 2007 até aqui. Foi em busca de qualidade de vida que criei meu projeto pessoal com a hashtag #TataFit. Desse momento em diante, com o apoio da minha mãe Kátia Cairo que me estimulou a retornar a academia e com a ajuda de toda a equipe de instrutores da Academia Triathlon, combinados a uma reeducação alimentar, foi que eu pude, ao longo de messes perder meus 20kg. Me perguntam se já alcancei meu objetivo e sempre falo que já me sinto bem melhor. No entanto, falta perder aquela barriguinha e manter o que consegui perder até então. No lado pessoal, sou uma “garota” super família, casada e mãe de três cachorros (Estrella, Tupi e Pipoca, seguindo a hierarquia das idades, da mais velha, ao mais nova). Por amar estar em contato com pessoas, resolvi criar este espaço, para trocar experiências e criar novos amigos. Então é isso, sejam bem-vindos ao meu mundo!